ROCK OITENTISTA

Loading...

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

"STRYPER"


O Stryper é uma banda norte-americana de glam metal da Califórnia, cujas letras são baseadas no cristianismo. Formada em 1983, é considerada a pioneira
do gênero "metal cristão".
O Stryper fez extraordinário sucesso no meio cristão nos anos 80 e no início dos anos 90, tocando com grandes bandas como Dio, White Lion e Keel entre outros.
Em fevereiro de 1992, o vocalista Michael Sweet sai da banda para dar início à sua carreira solo. A banda tenta continuar por mais algum tempo, como um trio, apenas para finalizar suas atividades alguns meses depois. No entanto, para alegria dos fãs, a banda foi novamente reunida em 2003, inicialmente com Tim Gaines no baixo, que depois foi substituído por Tracy Ferrie,
antigo baixista das bandas Whitecross e Guardian.
Posteriormente Gaines volta à banda, revezando com Tracy o palco do Stryper.
Formada em 1983 pelos irmãos Michael (vocalista) e Robert Sweet (baterista)
e os amigos Oz Fox (guitarrista) e Timothy Gaines (baixista, tecladista).
Em 1984, assinam com a Enigma Records, e em julho saiu o EP
"The Yellow And Black Attack", com 6 músicas.
Mas o Primeiro grande lançamento, foi "Soldiers Under Command",
de 1985, que vendeu mais de meio milhão de cópias em todo o mundo.



Em 1986, saiu "To Hell with the Devil", considerado por muitos o melhor trabalho do Stryper. O EP "The Yellow and Black Attack" foi re-lançado como álbum completo,
com duas músicas a mais, "My Love I'll Aways Show" e "Reason For The Season".
Em 1988, o Stryper grava "In God We Trust", destacando a música "I believe in You", que no Brasil fez parte da trilha sonora da novela "O Salvador da Pátria", exibida pela TV Globo. Saindo da turnê desse disco, retiraram-se para 8 meses de ensaios no estúdio de Robert Sweet. O resultado foi "Against the Law" de 1990, que deixou alguns fãs confusos com a mudança da aparência do Stryper.
Isso levou numerosos rumores e perguntas sobre a sinceridade da fé da banda. Pois até "In God We Trust", as mensagens eram bem claras acerca da vida cristã, já no trabalho "Against the Law" as letras não condiziam com o que
os integrantes pregavam anteriormente.
Em 1991 sai "Can't Stop the Rock", uma coletânea de músicas gravadas de 1984 à 1991, incluindo duas novas músicas, "Believe" e "Can't Stop The Rock" que é a resposta da banda para aqueles que ficaram surpresos na mudança do Stryper que aparecia no disco anterior. Mas nem tudo eram flores no Glam Rock: as críticas, vindas de todos os lados, não tardaram a ser lançadas contra aqueles que estavam mudando a cara da música cristã americana. Depois de gravar o disco já citado, o "Against the Law", uma manifestação de puro protesto e sem nenhuma referência ao Senhor Jesus, a Deus ou a Salvação, não é difícil de se imaginar o que rolou depois disto: brigas, intrigas e muita confusão.
"Perdemos o nosso foco, esquecemos a mensagem. Começamos com festas, bebidas e tudo mais. Passamos a viver o que condenávamos no palco."
Michael Sweet.
"Foi aí, que Deus entrou em cena e fez parar a bagunça. Hoje sei que Deus nos perdoou e sou-lhe grato pela chance de fechar as portas do passado."
Michael Sweet.
Em janeiro de 1992, Michael segue sua carreira solo. Michael era o primeiro a reaparecer na mídia, quando fechou negócios com uma nova gravadora. Esta união resultou em três álbuns solos: "Michael Sweet", "Real" e "Self".Em 1994, Tim e Robert se unem a Rex Carrol(ex-Whitecross) e Jimmi Bennet na banda King James. Em 1998, Tim e Oz se unem no Sin Dizzy. Em 2002, a Hollywood Records, faz um convite a banda a lançarem um novo disco, que é lançado em 2003, "Seven: The Best of Stryper" e logo em seguida surge um Tour na América que se transforma em mas um novo disco: "7 Weeks: Live in America, 2003".

Em 2005 foi lançado outro álbum "Reborn". Esse é o novo Stryper, de novo estilo músical. A banda seguiu com a nova formação e recentemente lançaram um álbum chamado: Murder By Pride(2009),um álbum mais voltado as suas origens com solos e agudos de Michael Sweet. A capa foi feita por um brasileiro (GILVAN RANGEL Jr) da cidade de Campina Grande-PB, onde o mesmo recebeu uma carta de agradecimento escrita por Michael Sweet, um poster comemorativo dos 25 anos e o cd autografado. Está sendo feita uma turnê de aniversário de 25 anos da banda, com todos os membros originais(Michael e Robert Sweet , Oz Fox , Timothy Gaines)

Estilo

Durante a década de 1980, Stryper representou o estilo glam metal popular durante o tempo que se caracterizou por comportamentos altamente visuais. Um elemento característico da banda foi que todos os seus equipamentos, aparelhos e instrumentos foram pintadas em riscas amarelas e pretas. Stryper também teve outras marcas distintivas. Além de posicionar o set de bateria de Robert Sweet de lado para o público, também costumavam jogar Bíblias para a multidão nos concertos, especificamente edições do Novo Testamento com adesivos da banda.

Como um protesto contra o "666" símbolos populares entre os muitos fãs de heavy metal da época, Robert Sweet promoveu um símbolo alternativo numerológica, o "777" símbolo posteriormente se tornou bastante popular entre os metaleiros cristão. Embora o número "777" não é referenciada pela Bíblia (em oposição a 666, que é mencionado no Livro do Apocalipse como o número da besta) o número "7" é tradicional (em simbolismo cristão) associado a divina perfeição.
Em 12 de Agosto de 2006, o Stryper se apresenta pela primeira vez no Brasil,
na casa de shows Via Funchal, na cidade de São Paulo, com Tracy Ferrie no baixo.
O nome "Stryper" é referência à palavra "stripes", do verso 5 do Capítulo 53 do livro bíblico de Isaías:

Em inglês, na Bíblia versão King James: "But he was wounded for our transgressions, he was bruised for our iniquities: the chastisement of our peace was upon him; and with his stripes we are healed."
Em português, na Bíblia NVI: "Mas ele foi transpassado por causa das nossas transgressões, foi esmagado por causa de nossas iniquidades; o castigo que nos trouxe paz estava sobre ele, e pelas suas feridas fomos curados."
Esta referência bíblica (Isaías 53:5) também faz parte do logotipo da banda.
No contexto do verso bíblico acima, a palavra "stripes" significa "ferida", ou seja, as marcas causadas pela flagelação que Jesus Cristo viria a sofrer.

Além deste significado, a palavra "stripes" também pode ser traduzida para o português como "listras", o que conferiu à banda o visual listrado característico de seus primeiros anos, além das listras no logotipo.
Posteriormente, o baterista Robert Sweet criou um Retroacrônimo para o nome "Stryper", ou seja, transformou a palavra STRYPER em um acrônimo (sigla):
Salvation Through Redemption, Yielding Peace, Encouragement and Righteousness.
Em português: "Salvação Através de Redenção, Trazendo Paz, Encorajamento e Retidão".

Membros

Michael Sweet, vocal e guitarra (1983–92, 2003–atualmente);
Oz Fox, guitarra (1983–92, 2003–atualmente);
Robert Sweet, bateria (1983–92, 2003–atualmente);
Tracy Ferrie, baixo (2004–atualmente).
Timothy Gaines - Baixo (1983-1992),(2003-atualmente).
a banda costuma fazer uma espécie de "rodízio" com os baixistas Timothy e Tracy

Discografia

The Yellow and Black Attack EP (1983)
Soldiers Under Command (1985)
The Yellow and Black Attack (1986)
To Hell with the Devil (1986)
In God We Trust (1988)
Against the Law (1990)
Can't Stop the Rock (1991)
Seven: The Best of Stryper (2003)
7 Weeks: Live in America, 2003 (2004)
Reborn (2005)
The Roxx Regime Demos (7 de julho de 2007)
Murder by Pride (21 de Junho de 2009)
[editar] Singles
Reason For The Season (1985)
Together As One (1985)
Reach Out (1985)
Free/Calling On You (1986)
Honestly (1987)
Always There For You (1988)
I Believe In You (1988)
Keep The Fire Burning (1988)
Shinning Star (1990)

Videografia

Live in Japan (1985)
In The Beginning (1987)
Stryper Burning Flame Live in Japan 89 (1989)
Stryper Expo (2000)
Stryper Expo II: West Side Story (2001)
Greatest Hits: Live in Puerto Rico (2004)

sábado, 6 de novembro de 2010

"R.E.M."


O R.E.M. é uma banda estadunidense de rock (de Athens, Geórgia) formada em 1980.
Seu nome é uma referência ao estágio de sono REM (Em inglês, Rapid Eye Movement, Movimento Rápido dos Olhos) no qual ocorrem os sonhos mais vividos.

Resumo: Através da década de 1980 a banda trabalhou sem descanso, lançando álbuns anualmente por sete anos consecutivos, do seu EP de estréia de 1982 Chronic Town até o álbum de 1988 Green. Seu estilo punk rock e art rock inspirado da década de 1970 o permitiu estabelecer-se como elemento central da cena do rock alternativo da década de 1980.

Histórico: Em 1979, Michael Stipe (vocalista), estudante de artes, conhece Peter Buck (guitarra), um jovem que trabalhava numa loja de discos. Tornaram-se muito amigos e passaram a dividir um apartamento. Em uma das festas que freqüentavam conheceram os também amigos Mike Mills (baixo) e Bill Berry (bateria). A afinidade entre os quatro foi imediata e logo começaram a tocar juntos.

No dia 5 de abril de 1980, a banda fez seu primeiro show para a festa de aniversário de um amigo, numa igreja abandonada na cidade de Athens, no estado da Georgia, EUA, onde Stipe e Buck moravam. A partir daí, começaram a tocar em bares, restaurantes e festas no sudeste dos EUA.

No ano de 1981, o R.E.M. lançou pelo selo independente Hibtone os singles “Radio Free Europe” e “Sitting Still”. Em 1982, o R.E.M. assina contrato com o selo I.R.S., onde lançam o EP Chronic Town, que teve uma ótima aceitação pelas rádios universitárias da época. Um ano depois sai o primeiro álbum do R.E.M., Murmur, que ganhou o status de álbum do ano batendo bandas já consagradas como U2, que tinha lançado o álbum War e também Michael Jackson com Thriller, o disco mais vendido da história. A aceitação do R.E.M. foi tão grande, que pela primeira vez fizeram um show fora dos EUA.

Entusiasmados com o sucesso do primeiro álbum, em 1984, com apenas onze dias de estúdio, eles gravam o segundo, Reckoning, e saem em turnê novamente. 1985 é o ano de lançamento de Fables Of The Reconstruction, o terceiro álbum e o maior sucesso até então, com destaque para a música “Feeling Gravity´s Pull”. No entanto, durante a produção desse disco, a banda quase acabou devido a divergências internas e a discussões sobre o tipo de som que o álbum teria.

Em 1986, o R.E.M. lança o quarto disco, Life’s Rich Pageant, outro grande sucesso alternativo. A banda conseguiu seu primeiro disco de ouro e o hit “Fall On Me” figurou no Top 10 dos EUA, fato inédito para o grupo. No ano seguinte, a I.R.S. lança um álbum intitulado de Dead Letter Office contendo Lados B e as faixas do Chronic Town. No mesmo ano a banda lança seu quinto álbum de trabalho, Document, com sons barulhentos e letras politicamente corretas. A música “The One I Love” leva o R.E.M. ao estrelato, figura no TOP 5 dos EUA e o álbum leva disco de platina.

Dois anos se passam e em 1988 ocorrem vários fatos que marcaram a banda, sendo três de muita importância: o lançamento do álbum Green, o sexto da carreira, com hits como “Stand” e “Pop Song 89”; o R.E.M. é eleito pela revista Rolling Stone a melhor banda de Rock and roll dos Estados Unidos e eles assinam contrato com a milionária gravadora Warner Bros… A Green World Tour (Turnê do álbum Green) dura onze meses.

Depois da correria com a turnê, os integrantes, exaustos, decidiram fazer uma pausa para cuidar cada de um de sua vida. Bill Berry foi pescar na sua fazenda, Mike Mills dedicou-se a projetos paralelos, Stipe foi cuidar de sua produtora de vídeo (C-Hundred Film Corporation) e Peter Buck continuou a fazer nada como sempre. Mas logo se juntaram e começaram a produzir um novo álbum, entre 1989 e 1991.

Após três anos sem lançar nada e, principalmente, sem a pressão da gravadora, o quarteto lança o sétimo álbum, Out Of Time, o mais bem sucedido da carreira do grupo. Os hits “Losing My Religion” e “Shiny Happy People”, deram a banda três Grammy Awards e seis MTV Video Music Awards. Neste mesmo ano de 1991, a convite da MTV a banda gravou um Acústico, com várias músicas de sucesso e outras desconhecidas até então. Esse acústico não chegou a ser lançado em álbum mas mostrou a versatilidade dos músicos. Ficou provado, definitivamente, que eles eram excelentes músicos. Para muitos no Brasil era a primeira vez em que se ouvia falar no R.E.M. (fora do circuito underground) e o sucesso da banda foi uma das primeiras revitalizações do rock nos anos 90, antes da revolução de Seattle.

Vale lembrar que o R.E.M. foi uma espécie de alavanca da onda grunge. Sem R.E.M. não sabemos se a revolução de Seattle teria feito tanto sucesso.

Em 1992 a crítica duvidava que a banda iria conseguir manter a qualidade das músicas nos álbuns seguintes até que o oitavo álbum, Automatic For The People, foi lançado. O disco possui hits consagrados como “Man On The Moon” (dedicado ao humorista Andy Kauffman), “Everybody Hurts”, (para muitos a cancao mais triste do mundo),“Drive”, “Find The River”, entre outros.

O nono álbum surge em 1994, cheio de sons pesados e guitarras distorcidas. Monster é dedicado ao ator e amigo River Phoenix, que morrera naquele ano e uma faixa, “Let Me In”, ao músico, cantor e amigo Kurt Cobain, que também se fora.

A banda inicia a maior turnê feita até hoje por eles, a Monster World Tour, que causou varios transtornos ao grupo. Michael Stipe teve de ser operado para a retirada de uma hérnia, Mike Mills entrou no centro cirúrgico por problemas estomacais, e o mais grave, durante um show, Bill Berry desmaiou sobre a bateria devido a um aneurisma cerebral e teve de ser operado às pressas.

Em 1996, o R.E.M. renova com a Warner Bros. por US$ 80 milhões, um dos maiores contratos da indústria fonográfica. Lançam seu décimo álbum, que pela primeira vez não foi gravado inteiramente em estúdio. New adventures in Hi-Fi contém, em sua maior parte, músicas inéditas gravadas em passagens de sons da turnê anterior. Destaques para “Leave”, “E-bow The Letter” e “The Wake-Up Bomp”.

No primeiro dia de gravação do álbum seguinte, em 30 de outubro de 1997, Bill Berry, junto com a banda, dá uma entrevista dizendo que amigavelmente deixava o grupo. Ele declarou que queria apenas viver com sua família numa fazenda, para descansar, pois tocava bateria desde os 9 anos de idade e queria fazer outra coisa além daquilo, que perdera o encanto. Os outros três integrantes resolvem continuar com a banda, sem substituir Berry.

O Décimo primeiro álbum, Up, é lançado em 1998. Apesar do título, é um trabalho bem depressivo. Michael Stipe diz que é o álbum onde conseguiu expressar profunda tristeza em suas letras, uma delas em especial, “Sad Professor”. Ainda sobre a saída de Bill Berry, Stipe diz que ele fez o que queria, e que não houve nenhuma pressão para que ficasse ou que saísse. Eles respeitaram a decisão do amigo, que já não gostava mais da fama, de ser fotografado ou de sair em turnê. A banda, inicialmente, decidiu não fazer turnê, mas após algum tempo realizou alguns shows pela Europa, com alguns bateristas se revezando em sua banda de apoio.

No ano seguinte, 1999, Bill Berry andou retomando as baquetas para um concerto beneficente que reuniu diversos artistas em favor de uma fundação que cuida de doentes da Síndrome de Pierrete, mas nada que o reconduzisse ao R.E.M. novamente. Stipe meteu-se na produção de um filme sobre o glam rock, chamado Velvet Goldmine, que contaria a história das principais figuras do gênero: David Bowie, Iggy Pop, Lou Reed, Marc Bolan. A banda cedeu sua música “Man On the Moon” para o filme biográfico do comediante Andy Kauffman, que falecera aos 35 anos de um câncer raro no pulmão. A canção havia sido feita em sua homenagem em 1992. O R.E.M. apareceu no último Saturday Night Live de 1999 como banda convidada, rendendo a Stipe uma participação como fada madrinha do personagem Mango (de Chris Kattan).

Em 2001, depois que a ferida aberta pela saída de Berry já estava cicatrizada, o R.E.M. lança seu décimo segundo álbum, intitulado Reveal. O álbum possui belos arranjos de teclados eletrônicos com letras inspiradíssimas, reforçando o talento de Stipe, considerado um dos melhores letristas de sua geração. O primeiro single e grande hit do álbum é “Imitation Of Life”, onde o R.E.M. faz uma volta ao passado e recorda um pouco a onda pop vivida em 1991 com “Shine Happy People”. Outros destaques ficam por conta de “The Lifting”, “All The Way To Reno”, “She Just Wants To Be” e “I´ll Take The Rain”, onde eles continuaram mostrando que são mestres na arte de vídeo-clips.

No mesmo ano, a banda faz seu primeiro show no Brasil, na terceira edição do Rock in Rio. O grupo foi um dos destaques e Michael Stipe foi eleito a personalidade mais popular e simpática do festival. Logo após o lançamento de Reveal, a MTV Americana convidou a banda para gravar um novo acústico. O agora trio, mais experiente do que antes, faz uma excelente apresentação. Michael Stipe mais uma vez deu um show nos vocais, onde mostrou ter muita facilidade para fazer o que deseja com sua voz e para modificar as músicas do jeito que mais lhe agrada. Até agora a banda não se pronunciou se irá lançar em cd o acústico.

Em 2004 foi lançado Around the Sun. Com letras politizadas, refletindo a tensão que os EUA viviam por conta das eleições presidenciais, e sonoridade mais acústica (a despeito de alguns elementos eletrônicos). Foi o álbum do R.E.M. que teve a respercussão mais negativa, tanto entre a crítica quanto entre os fãs.

Atualidade

Em 2008 a banda lança seu ultimo album até então, Acellerate. Além de resgatar elementos classicos da banda, traz elementos marcantes de um rock mais “pesado”, com presença marcante da guitarra e bateria, além do ótimo acompanhamento no contra-baixo. Em especial, as músicas Supernatural Superserious e Accelerate marcam presença, entrando em algumas paradas musicais ao redor do globo.

Discografia:
Chronic Town EP(1982)
Murmur (1983)
Reckoning (1984)
Fables of the Reconstruction (1985)
Lifes Rich Pageant (1986)
Document (1987)
Green (1988)
Out of Time (1991)
Automatic for the People (1992)
Monster (1994)
New Adventures in Hi-Fi (1996)
Up (1998)
Reveal (2000)
Around the Sun (2004)
Accelerate (2008)