ROCK OITENTISTA

Loading...

sábado, 25 de junho de 2011

"TRIO"


Trio é o nome de uma banda new wave formada por três integrantes alemães - Stephan Remmler (vocais), Gert 'Kralle' Krawinkel (na guitarra) e Peter Behrens (no baixo) - no ano de 1980, tendo acabado em 1985.

A banda teve 5 discos em sua breve carreira musical, sendo que o primeiro disco Trio saiu em 1981, na Alemanha. O grande êxito partiu no ano seguinte quando lançou o single "Da Da Da, Ich Lieb Dich Nicht du Liebst Mich Nicht Aha Aha Aha" , popularmente conhecida e simplificada como "Da Da Da", tendo sido executada em trinta países, inclusive os EUA, chegando a ganhar várias versões com grande sucesso, além de ser incluida em diversas propagandas comerciais, filmes e seriados de tv em todo o mundo. Recentemente, no Brasil, fez parte da propaganda da Pepsi Cola.

Nunca foi popular na Alemanha, porém o Trio ficou marcado apenas por emplacar essa música. Outras músicas como "Broken Hearts for You and Me", "Boom Boom", "Hearts are Trump" e "Anna Letmein Letmeout", não tiveram a mesma repercussão do grande hit da banda. Em 1986 saiu a compilação 5 Jahre Zuviel reunindo seus sucessos em cinco anos de atividade.

domingo, 5 de junho de 2011

"IRENE CARA"


Irene Cara, nome artístico de Irene Escalera, (Nova Iorque, 18 de março de 1959) é uma cantora, compositora e atriz estadunidense.
É ganhadora de dois Oscars de melhor canção, além de diversos outros prêmios, incluindo o Grammy e o Globo de Ouro, por duas vezes.
Nos anos 70, Irene foi a estrela de The Everything Show, um programa transmitido somente em Nova Iorque. Foi a original Daisy Allen no antigo seriado diário Love of Life, em 1974, e substituída por Sharon Brown, e que deixou para estrelar um programa educativo de nome The Electric Company, interpretando uma integrante da banda The Short Circus (ela foi ao show durante a primeira temporada somente).
Da série também participou Bill Cosby, Rita Moreno, Morgan Freeman,
Mel Brooks, Joan Rivers e Gene Wilder.
Em 1975 estreou no cinema, protagonizando a romântica Angela do filme Aaron Loves Angela, uma versão pós-moderna de Romeu e Julieta. Veio em seguida o papel em Sparkle (1977), onde interpretou a personagem de mesmo nome e conquistou grande sucesso de crítica e de público a nível internacional. A televisão aproveitou o sucesso conquistado por Irene no exterior em duas mini produções: Raízes II, outra daptação aclamada pela crítica, e o filme A História de Jim Jones, baseado em um best-seller de Alex Haley, baseado na tragédia ocorrida na Guiana alguns anos antes.
John Willis' Screen World, Vol. 28, nomeou Irene como uma das 20 Mais promissoras atrizes de 1976. No mesmo ano, uma votação dos leitores na revista Right On! nomeou-a como Top Atriz.
Cara é formada na Professional Children's School em Manhattan, uma concorrente da LaGuardia High School of Music & Art. Ironicamente, LaGuardia High foi a inspiração para a escola de artes do seu terceiro filme, Fama, em 1980.

Anos 80:

O filme Fame de 1980, fez com que Irene se tornasse conhecida no mundo todo.
Como Coco Hernandez ela cantou os dois maiores hits do filme, que estouraram nas paradas de sucesso naquele início dos anos 80: a canção título Fame, que ficou em primeiro lugar da Billboard por várias semana, e a canção Out Here On My Own, que chegou ao Top #10 das paradas estadunidenses em 1981. Irene teve a oportunidade de ser uma das pouquíssimas cantoras até hoje a cantar mais de uma canção durante a cerimônia do Oscar. Fame, composta por Michael Gore e Dean Pitchford, levou uma estatueta nesse mesmo ano.
Também o filme garantiu a Irene algumas nomeações ao Grammy, em 1980, para melhor atriz novata e melhor artista pop, assim como uma nomeação ao Globo de Ouro como melhor atriz de cinema em musical. A Billboard Magazine nomeou Irene como nova artista top, enquanto a Cashbox Magazine a premiou em duas categorias: vocalista mais promissora e vocalista top.
Quando Fame se tornou um seriado de televisão, alguns anos mais tarde, Irene Cara foi procurada pelos produtores para retomar seu papel como Coco Hernandez. Porém, ela recusou, sentindo que já havia feito tudo o que podia pela Coco no filme e, diante da possibilidade de abandonar o papel a qualquer momento, se a série de televisão falhasse. Como resultado, Erica Gimpel atuou em seu lugar, devido a sua semelhança física com Irene. Entretanto, Irene fez uma participação especial num episódio de 1983, como uma aluna de sucesso da escola de artes, cantando Why Me?, seu single do momento.
Em 1982, Irene levou um Image Award de melhor atriz quando estrelou com Diahann Carroll e Rosalind Cash num filme da NBC, chamado Maya Angelou's Sister. Irene foi Myrlie Evers-Williams em um filme da PBS TV sobre a líder dos direitos civis Medgar Evers, em For Us the Living: The Medgar Evers Story, e ainda foi nomeada para melhor atriz no NAACP Image Award.
Seu outro filme de sucesso relevante após Fame foi Killing 'em Softly (Prazer à Toda Prova), com participação de Nicholas Campbell e George Segal. Para o filme, Irene gravou duas canções: City Nights e Killing Em' Softly, num dueto com George Segal.
Irene também foi convidada para estrelar sua própria série de televisão, intitulada Irene, na NBC, em 1981. Mesmo recebendo críticas favoráveis, o seriado perdeu audiência para outros espetáculos e foi cancelado. O elenco contava com as atrizes veteranas Kaye Ballard e Teddy Wilson, além das estreantes Julia Duffy e Keenan Ivory Wayans.
Em 1983, à convite de Giorgio Moroder, Irene Cara atuou como ela mesma no filme D.C. Cab, sobre um grupo de amigos que eram motoristas de táxi, estrelando Mr T. como um fã obsessivo de Irene, a ponto transformar o porta-malas
do táxi num santuário para ela.
Além de cantar e atuar em filmes, Irene continuou a se apresentar ao vivo e promovendo espetáculos durante esse período.
Flashdance... What A Feelin'Em 1983, Irene alcançou o ápice de sua carreira musical com Flashdance…What A Feelin', canção-tema do filme Flashdance, composta em parceria com Giorgio Moroder e Keith Forsey. Irene compôs as letras da canção com Keith Forsey enquanto dirigia o carro a caminho do estúdio em Nova Iorque.
Moroder compôs a música.
Irene admitiu mais tarde que no início esteve relutante em trabalhar para Giorgio Moroder, com receio de que as pessoas estabelecessem comparações entre ela e Donna Summer, com quem Giorgio havia trabalhado até então. O resultado foi um álbum que conquistou diversos prêmios. Irene levou o Oscar por melhor canção em 1983, o Grammy Award por melhor performance pop vocal feminino em 1984, o Globo de Ouro por melhor canção original, melhor cantora pop feminina de singles, melhor cantora pop negra contemporânea de singles, melhor artista pop negra crossover contemporânea de singles, canção pop do ano e o American Music Awards, como melhor artista feminina de R&B e melhor canção pop do ano.
Em março de 2007, a United World Chart posicionou Flashdance… What a Feelin' como a 22º canção de maior sucesso na história da música. Flashdance também foi avaliada na lista como a quarta canção mais bem sucedida por uma cantora feminina, apenas estando atrás de Cher (com Believe), Celine Dion (com My Heart Will Go On) e Whitney Houston (com I Will Always Love You).